Ando por aí, por esse mundo imenso, de folha em folha...
Segunda-feira, 06 de Julho de 2009

Coimbra, 24 de Agosto de 1988 -

 

O telefone emude­ceu. O carteiro não toca se­quer uma vez. O vento não pára. Os remédios não reme­dei­am. A dor de cabeça não esmo­rece. O Sol esqueceu-se do ofício e meteu folga. O silêncio não se constrói nem me destrói. A música não apazigua. Os jornais gri­tam que não querem ser li­dos. A espe­rança não esperneia. O calor tem frio. O frio tem fome. A fome tem sede. A sede está farta. As ideias embran­que­ceram. As pa­lavras en­louqueceram num hospí­cio de bolor esverdeado. O livro está atravessado no útero e não pede para nascer. Os amigos estão mor­rendo. A guerra nasce das entra­nhas do ouro ne­gro. Os filhos não se deixam filhar. As filhas idem aspas, mas as­pando. A poesia vi­rou car­raça em pêlo de cadelinha. A li­teratura teve mais sorte e caiu numa pane­linha. A chuva es­queceu-se de se molhar. O corpo é um copo sem espírito de be­bida. Os olhos suici­da­ram-se. A boca caiu na li­xeira. As horas não oram. Os minu­tos não minutam nem deixam minutar a minuta de um sonho. O Sol sujou-se. O céu caiu de susto. O pe­sa­delo não se assustou. O sonho sustou-se. Os olhos cabe­ceiam de sono. As mãos pe­di­ram memória a juro porque não pagam juros de mora. As pernas colunizaram-se sobre os pés. Os pés pediram tré­guas e não sa­pateiam. A sapateia dançarilha no chão do longe. O longe é uma parte da partilha ainda es­parti­lhada. A saudade é uma Ilha rodeada de ti. A Ilha veio pernoitar em tua cama e lá se deixou noivar. Os mortos não se cansam de vi­ver nem os vivos de apo­drecer. A morte anda a cavalo nos pon­tei­ros do relógio. O relógio faz que anda, mas, no íntimo, galopa. Os dias resfol­gam nos cavalos da noite. A noite de­bate-se no cre­púsculo caído. As nuvens entupiram os caminhos da viagem. A viagem per­deu o navio e dei­xou-se fi­car no cais. O comboio não pára no apeadeiro que me coube. O bi­lhe­te que tirei tem uma data falsa. Todas as datas são falsas sobretudo as dos ani­ver­sários. Ani­ver­sariar é o modo conjuntivo desconju­gado num tempo in­definido. Conti­nuo es­perando di­ante do espelho que a minha ima­gem espe­lhada se metamor­foseie na tua para nela me aposentar. O amor não se cansa. Assim seja!
 
Cristóvão de Aguiar in “Relação de Bordo” (volume 1)

publicado por mariadoscaracois às 13:25
sinto-me: invejosa...

impressionante
Anónimo a 6 de Julho de 2009 às 22:08

Inteiramente de acordo.
Obrg por visitar o meu blog.

The man is a Piece of Shit! How he ever became a College Professor , is amazing...He actually belongs in a.... Mental Institution ! the work that he has done...is... radical,and vindictive, to his Family and friends that he grew up with...THE MAN IS A MENTAL CASE! Do the research...and you will see it!....
Joe Schmoe a 25 de Novembro de 2012 às 21:51



mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Últ. comentários
Olá:Há poucos anos atrás encontrei um pardalinho, ...
http://reflexoes-masculinas.blogspot.com.br/2011/1...
The man is a Piece of Shit! How he ever became a ...
nos achamos um pardal telhado e nao sabemos o que ...
Uma carta escrita por uma mulher extremamente inte...
Quando assistia a reportagem da Estela no JO eu ja...
Bom dia:Gabriel, diga-me por favor, quantas doença...
Tem todo o direito ao seu protesto mas deveria pen...
Olá, sou brasileiro e estou no intuito apenas de c...
Obrigado por nos deixar deliciar a viagem e os chi...
arquivos