Ando por aí, por esse mundo imenso, de folha em folha...
Quarta-feira, 16 de Setembro de 2009

 

Em 2005 deram a vitória maioritária ao PS 2.573.406 votantes. Os recenseados eram 8.785.227 e em 31 de Dezembro desse ano a população residente em Portugal foi estimada em 10.569.592 indivíduos.
 
Reparem bem como duas mil e tal alminhas puderam dar-se ao luxo de decidir por oito mil e muitas outras alminhas que no PS não votaram.
 
Foi a pura e dura verdade do que aconteceu em 2005. Em eleições legislativas anteriores foi a mesmíssima trafulhice.
 
O conterrâneo português reclama e reclama do governo que lhe caiu em cima mas nada faz para corrigir a situação…
 
Votar-se em listas é qualquer coisa do mais aberrante e bizarro que me passa pela cabeça: O eleitor dispõe de um voto singular para votar no Sr. ou Sra. Lista que por acaso não possui BI nem contribuinte (as listas plurinominais, são fechadas e bloqueadas, apresentadas exclusivamente por partidos ou coligações, sem qualquer possibilidade do votante manifestar preferências). Isto é inaceitável!
Nós devíamos votar em pessoas que conhecêssemos pelas provas dadas em matérias com que se defronta o país e a sua população, pela sua seriedade e competência para desempenharem o cargo de deputados, etc. (e nunca por interposta indicação do clube…). Sabíamos qual era o nome, rosto,  corpo gordo ou magro, alto ou baixo, homem ou mulher etc. e se não cumprisse aconchegávamos-lhe a roupa ao pelinho
 
Temos que mudar o sistema eleitoral que permite as ditas listas, onde se incorporam os clientes/sócios dos partidos…Por isso vemos gentinha, p.e. de Faro em listas de Bragança… sem nunca lá terem colado as solas dos sapatos uma única vez… Mas sapato é sapato para não dizer tacho é tacho…e o partido tem que dar emprego a muito cliente… Por esta razão não convém aos partidos a mudança do sistema eleitoral…
 
A Constituição prevê a possibilidade, não concretizada na lei ordinária, de um círculo eleitoral nacional e de círculos eleitorais uninominais. Prevê… não estabelece!
Um leitor deste blog sugeriu “e que tal se fosse permitido aos países fazerem "transferências" qual mercado de futebol, e importarmos gente trabalhadora, empenhada, com visão de futuro, sem os bolsos largos e de preferência com eles cozidos, políticos de qualidade”?
 
E porque não importamos da Suécia (não é o nº 1 no ranking da qualidade da democracia?) um 1º ministro e mais 9 técnicos para ministros das pastas necessárias. O resto do pessoal está no quadro da função pública e só precisa de quem os oriente e ensine. Reduzia-se a despesa e ainda por cima haveria respeito e aumentava-se o. PIB...
 
Se a solução para Portugal passar por aí, futebol ou importação, estou totalmente de acordo. 
 
Mas coloca-se-me uma feroz dúvida: no lobby futebolistico quem aceitava as nossas estátuas da política?
 
Vejamos: nunca marcam golos, desconhecem as regras do jogo, aldrabam as competências literárias, têm horários ad-hoc e salários cheios de outros apêndices que resultam em quantias astronómicas, possibilidade de reformas incompatíveis com qualquer sistema de outro país, guarda roupa com luvas, justiça especial, regalias de toda a ordem, etc. etc.
 
É dramático!
publicado por mariadoscaracois às 14:22
sinto-me: tola
tags:


mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
17
19

20
21
24
25
26

27
28


Últ. comentários
Olá:Há poucos anos atrás encontrei um pardalinho, ...
http://reflexoes-masculinas.blogspot.com.br/2011/1...
The man is a Piece of Shit! How he ever became a ...
nos achamos um pardal telhado e nao sabemos o que ...
Uma carta escrita por uma mulher extremamente inte...
Quando assistia a reportagem da Estela no JO eu ja...
Bom dia:Gabriel, diga-me por favor, quantas doença...
Tem todo o direito ao seu protesto mas deveria pen...
Olá, sou brasileiro e estou no intuito apenas de c...
Obrigado por nos deixar deliciar a viagem e os chi...
arquivos